ACORDO COLETIVO SOBRE TRABALHO EM TURNOS - Um Grande Dilema Empresarial

Atualizado: 23 de fev.

A cada um ou dois anos uma grande parte das empresas que, por força de suas atividades e demandas, operam em regime de trabalho em turnos, se veem diante de um grande dilema: negociar a renovação do acordo coletivo que trata do tema.


Esse processo de negociação coletiva é de grande sensibilidade, pois ele se propõe conciliar interesses distintos, pelo menos à primeira vista, entre a empresa, os colaboradores e seus respectivos sindicatos representativos.


Para complicar, o detalhismo e as ambiguidades da legislação trabalhista, associadas às ações interpretativas da fiscalização do trabalho, tornam o processo negocial mais desgastante para as partes envolvidas.


Outra consequência decorrente desses fatores complicadores é o não aproveitamento das poucas possibilidades legais existentes, considerando que o cobertor é curto, como costumo mencionar em nossos trabalhos junto aos clientes.


Quando coberto por acordo coletivo, qualquer alteração no modelo adotado pela empresa, como, por exemplo, do regime de revezamento para horários fixos ou de 3 turnos de 8 horas para 2 turnos de 12 horas, as reações contrárias, dos colaboradores e dos sindicatos laborais, têm sido imediatas e contundentes, resultando muitas vezes em conflitos e paralisações.


Por essas razões, preparar-se, com antecedência de, pelo menos, 90 dias, para o processo de negociação coletiva do regime de trabalho em turnos é uma tarefa inadiável e requer ser tratada como um projeto, pois o seu resultado impacta diretamente na produtividade, nos custos operacionais, na saúde, na segurança, na qualidade de vida, nos serviços de transporte fretado e alimentação, na prevenção de passivos trabalhistas e nas relações sindicais.


Essa preparação envolve a participação colegiada de uma pequena equipe multifuncional, formada por gestores e profissionais das áreas operacionais, recursos humanos, relações trabalhistas e sindicais, comunicação interna, segurança e medicina do trabalho e jurídica.


Nossa metodologia de trabalho contempla:

  • um diagnóstico da situação atual, identificando:

> opiniões, sentimentos e expectativas dos colaboradores e dos sindicatos laborais;

> passivos trabalhistas reais e potenciais;

  • o nivelamento e capacitação da equipe multifuncional;

  • a definição de premissas e parâmetros norteadores do estudo técnico da situação;

  • a identificação de soluções em termos de regimes, escalas, jornadas e horários de trabalho e descanso;

  • a assessoria para a análise e aprovação da direção da empresa quanto à melhor alternativa para o regime de trabalho em turnos;

  • a assessoria para a elaboração de um plano de comunicação interna;

  • a capacitação da liderança interna como apoio ao processo da negociação da renovação ou de um novo regime de trabalho;

  • a assessoria para a condução do processo de divulgação e convencimento dos colaboradores;

  • a assessoria para o processo da negociação com os sindicatos laborais; e

  • a assessoria para revisão ou elaboração do plano de contingências (situações de conflitos trabalhistas).

A HGM Consultores é especializada no tema e detém know-how e experiência acumulada obtida ao longo de mais de 35 anos assessorando inúmeras empresas de renome no cenário nacional.


Entre em contato e agende uma conversa com o nosso especialista Heli Gonçalves Moreira.


92 visualizações0 comentário